China proíbe iPhones e derruba ações da Apple em US$ 200 bilhões

A Apple, a empresa mais valiosa do mundo, enfrenta um grande revés em seu maior mercado estrangeiro. A China, a segunda maior economia do mundo, planeja proibir o uso de iPhones em agências e empresas apoiadas pelo governo, segundo relatos da mídia.

China proíbe iPhones e derruba ações da Apple em US$ 200 bilhões

Essas notícia resultou em uma queda acentuada nas ações da Apple. Em um único dia, as ações despencaram 2,9% em valor na quinta-feira (7), após uma queda de 4,1% registrada na quarta-feira (6). Isso equivale a uma perda de aproximadamente US$ 200 bilhões em capitalização de mercado em apenas dois dias. Como resultado, as ações da Apple agora ostentam o pior desempenho no índice Dow Jones.

A proibição do iPhone na China é vista como um sinal de alerta para a Apple, que depende fortemente do mercado chinês para sua receita e lucro. A China respondeu por cerca de um quinto da receita total da Apple no ano passado, e estima-se que tenha superado os Estados Unidos nas vendas do iPhone no último trimestre.

Veja também:

Quer Estudar Melhor? Aqui estão os melhores tablets para estudantes em 2023 (Baratos)

Uma boa parte dos iphones no mundo são produzidos por fábricas chinesas, tornando a Apple uma parte fundamental da economia de Pequim. Isso historicamente proporcionou à empresa uma sensação de segurança em relação a possíveis restrições do governo chinês. No entanto, a proibição do iPhone parece ser uma resposta direta às tensões comerciais e políticas que têm surgido entre os Estados Unidos e a China.

Inicialmente, a proibição restringia o uso de iPhones apenas para funcionários do governo chinês. No entanto, essa medida foi estendida para incluir empresas apoiadas pelo Estado, incluindo a gigante do setor energético, PetroChina. Analistas do Bank of America observam que esse momento de potencial proibição é notável, especialmente após o lançamento de um novo smartphone premium pela fabricante chinesa Huawei, que está atualmente sob investigação pelo governo dos EUA.

O impacto dessa notícia não se limita apenas à Apple. Todo o setor de tecnologia sentiu a repercussão, com o índice Nasdaq Composite caindo cerca de 0,9% e o setor de semicondutores enfrentando uma queda ainda mais acentuada de mais de 2%.

A proibição iminente do iPhone na China representa um desafio sério para a Apple. Com uma perda substancial em seu valor de mercado e a incerteza em torno do futuro desse mercado crucial, a gigante de Cupertino enfrenta tempos turbulentos à medida que as complexidades das relações comerciais e políticas entre os EUA e a China continuam a se desenrolar.

Perguntas Frequentes (FAQs)

Como a proibição do iPhone na China afetará os consumidores em todo o mundo?
  • A proibição pode resultar em escassez de produtos e possíveis aumentos de preços de dispositivos Apple em mercados globais.

Qual é o papel da China na produção de iPhones para a Apple?

  • A China é responsável pela produção da maioria dos iPhones, desempenhando um papel crucial na cadeia de suprimentos da Apple.

Existe alguma chance de a proibição ser revertida no futuro?

  • Isso dependerá da evolução das relações entre os governos dos EUA e da China, bem como das negociações entre a Apple e as autoridades chinesas.

Como outras empresas de tecnologia estão sendo afetadas por essa situação?

  • O setor de tecnologia como um todo está enfrentando volatilidade devido à incerteza gerada pela proibição do iPhone na China.

Quais medidas a Apple está tomando para lidar com essa situação?

  • Até o momento, a Apple não emitiu declarações oficiais sobre o assunto. É provável que a empresa esteja avaliando suas opções e estratégias para enfrentar esse desafio.

Enviar um comentário

Deixa o seu Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Publicidade

Anúncio